De Podcast: Nerdcast

Semana passada, eu sentei nessa cadeira e com meus dedos gordos em colisão com da teclazinhas do teclado da computadora escrevi sobre podcast. Como sempre, no meio do caminho me perdi, escrevi frases desconexas e falei coisas adicionais e periféricas que não acrescentavam em nada ao objetivo principal. Ainda assim, olhando bem, lá no meio do centro do âmago do post postado dava pra ver que a idéia resumidamente era:

“Podcasts são legais, gosto de podcast muito, vou vir aqui uma vez por semana indicar um podcasts”.

Agora, uma semana depois, aqui venho para começar esse esquema.

Como esse é o primeiro post, acho que é pertinente ser bem conservador e óbvio e começar pelo podcast que é o mais famoso, maior e mais influente no Brasil nos dias de hoje. Acho que é importante que sejam eles a primeira indicação de podcast, porque falando de Brasil, pouquíssimos são os podcasts que não começaram ou que não foram de alguma forma influenciados por eles. Pra muita gente que vem a gostar de podcast eles são mesmo o primeiro gostinho, o começo do vício, o primeiro e único, o Nerdcast.

Se você já conhece podcasts a chance de nunca ter ouvido ao menos falar deles é mínima, eles realmente são a referência no meio, não apenas porque são uns dos primeiros, mas porque existe realmente qualidade no que eles fazem. A ideia do podcast deles é falar de cultura pop, com uma pegada nerd, o que quer dizer que é pra ser divertido, mas com uma certa dose de informação, é pra ser leve, mas não é pra ser fútil e se for pra abrir a boca não é pra falar merda a menos que seja de propósito.

O primeiro episódio foi postado no distante ano de 2006 e de lá pra cá, nesses mais de 10, foram muitos os temas. Curiosidades de ciência, de psicologia, comentando sobre filmes, séries, coisas de história, coisas da vida, de nostalgia, desenhos animados, tecnologia, alienígenas e RPG. A quantidade de temas é tão variada que é provavelmente bem difícil ver o feed de programa deles, com os títulos dos episódios, e nenhum te interessar. Inclusive aqui cabe uma pausa.

Se você ainda está começando com essa coisa de podcasts é recomendado que você baixe pra ouvir o que te interessar. Você leu o título e disse “sim! sim, este me interesso!”, a medida que você for ouvindo mais programas, que você for ficando mais familiarizado com as vozes que falam, é bem possível que você passe a baixar todos porque a experiência tende a se transformar em uma espécie de encontro onde você apenas gosta de saber a opinião das pessoas sobre um determinado assunto. Com o tempo o que passa a ser interessante é a opinião mais do que o assunto, por isso pode ser que você simplesmente baixe tudo, ou, caso você não goste das pessoas do podcast e das opiniões delas, que você não baixe nada.

Isso inclusive muito é importante. Você é livre para achar uma merda qualquer podcast. Existe um mundo imenso de possibilidades e opiniões, sotaques e pessoas de diferentes pontos de vista. Não são os temas, não é a “linha editorial” que faz um podcast ser bom, é a sua relação com as pessoas que fazem o negócio. Não existe só um podcast de games, de cultura nerd, de cinema, de política internacional. Tem milhões, escolha acompanhar os que te agradam e seja feliz. Sim? Continuemos.

Com podcasts como você acaba acompanhando a vida das pessoas indiretamente, é normal que você veja pessoas se casarem, terem filhos, saírem, voltarem e etc. No Nerdcast, com mais d 10 anos de programa, tenha certeza que você vai ver isso acontecer em paralelo. É legal que os programas ao longo dos anos registram o amadurecimento dos participantes e a mudança de se fazer o programa como hobby até ver ele crescer e se tornar um negócio, uma empresa, uma fonte de renda, conspiração e dominação mundial.

Como eu sou velho *cof cof cof * e estou nessa tem já um tempo, lembro da sensação de alegria alheia no episódio em que um dos participantes do podcast – o Alexandre Ottoni, o "Jovem Nerd – contou que pediu demissão do emprego pra se dedicar só ao site, ao podcast e tudo mais. Lembro de episódios sobre estréia de filmas aguardados, sobre a morte do Steve Jobs, sobre coisas que irritam, sobre o Seu Francisco no carnaval e muitos outros eventos e personagens que provavelmente vão ocupar um espaço na sua memória depois de você ouvir.

Ainda nisso de ver os participantes crescerem e mudarem é comum que algumas pessoas tenham fases favoritas com esse ou aquele podcast. O Nerdcast é um desses que mudou algumas vezes ao longo dos anos, mantendo, é verdade, a essência primordial do que havia no início, mas se transformando mais num produto ao longo dos anos. Se fosse pra fazer uma analogia, dentro do mundo dos podcasts no Brasil, o Nerdcast é aquele cantor de música pop famosão, que tem a estrutura, tem os patrocinadores, tem o grande público, que faz um som que hoje é um pouco pasteurizado, mas que se visto com cuidado dá pra notar que é sim algo de valor e de conteúdo, que começou indie e alternativo, falando absurdos com sangue, suor e lágrimas na garagem de casa.

Resumindo, se você quer dar risada e aprender umas coisas, a chance de você gostar deste podcast é bem grande.

Bom, essa foi a primeira vez por aqui. Imagino que o formato tenha ainda ficado meio incerto, mas a ideia é fazer algo mais ou menos assim, eu falo umas bobeiras, indico, digo do que fala, digo porque gosto, falo mais sobre essa coisa de podcast e vou embora antes que eu tenha escrito demais. Ah, falando sobre falar demais, devo voltar qualquer dia a falar do Nerdcast pra comentar qualquer outra coisa, vamos evitar de fazer essa merda de falar das coisas de forma definitiva e uma vez só.

Para ir até o site deles, clique aqui.

%d bloggers like this: